quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Reencontro de almas.




"Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim"
(Chico Xavier)



Meu coração agora palpita
num descompasso assombroso
meus pensamentos viajam
dentro do meu cérebro
sem ao menos me perguntar
se existia um lugar para eles.
Minha alma navega serena
ao encontro de um novo sentimento
que tenho certeza não é um encontro
e sim reencontro.
A sensação de vazio que existia
já não faz mais parte do meu ser.
O medo de me aceitar que vagava por minha cabeça
já não atormenta.
Em poucas horas meu corpo estará em teus braços
minha boca em sua boca
os meus olhos fixos nos teus.
A certeza que agora navega em mim
é de que há sempre uma luz
te esperando para iluminar os meus caminhos.
O tempo que teimava em não passar
que insistia em não me deixar apagar
as lembranças ruins
já não tem a menor importância.
Quero que além da brisa
você também toque em meus cabelos
que além da solidão que morava aqui
você também habite os meus dias.
Quero viver plenamente
escrever livremente
Deixar as palavras correrem soltas
como os sentimentos que não mais estarão presos.
Minha vontade é gritar para o mundo
nem que seja por um segundo
que você me completa
você me ilumina
você me faz bem.
Porque amor , não tem idade
amor não pede licença
tem que deixá-lo entrar
pela porta da frente e
se alojar em teu coração
By Mara Tozatto

domingo, 19 de dezembro de 2010

Reencontro




Cada pessoa que passa em nossa vida, passa sozinha, é porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra! Cada pessoa que passa em nossa vida passa sozinha e não nos deixa só porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós. Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso.
Charles Chaplin

"Se tivesse acreditado
na minha brincadeira
de dizer verdades teria
ouvido verdades que
teimo em dizer brincando,
falei muitas vezes como um palhaço
mas jamais duvidei da
sinceridade da platéia
que sorria."

Charles Chaplin

Frases enviadas por alguém que, com certeza sempre foi especial. Eu apenas não o havia encontrado.
Lucas, não nos encontramos só agora.
Almas se reencontrando, tenha certeza disso.

"Você me apareceu do nada..."
E do nada foi chegando, me encantando
olhando para dentro de mim, antes mesmo de saber quem eu era.
Você apareceu e, como a sorte num jogo de cartas
eu apostei meu Valete, minha Dama e até meu Rei.
Você apareceu do nada e do nada, me deixou encantada
Mas agora eu sei.

Sei que do nada , não existe
quando dois espíritos se reencontram
um realça o brilho do outro
Não é a aparência física e sim
a semelhança das almas.

Surgiu em mim, um novo dia
uma vontade de viver, que acho, já não existia
mas quando falei com você
pude sentir que a vida
é mais do que sentimentos de mágoas.

A vida nos atrai para as almas afins.
Por muitas vezes que sofri
por tantas lágrimas que chorei
pela primeira vez, não lembrei
do passado estranho, do momento de dor que um dia passei.

E como num jogo de cartas
onde eu eu era a Dama e você o Rei
foi surgindo um carinho, porque,
bem de mansinho, você chegou
e com palavras doces,seu jeito de menino,
foi se aproximando, e pouco a pouco,
foi se alojando
dentro dos meus pensamentos e do meu coração.

sábado, 18 de dezembro de 2010

Feliz Natal a todos!

Alma Cigana.


"Nada deve e nem tem preço...peças raras.
Almas que sabem voar como as borboletas...
Somos almas ciganas que cantam ao redor das fogueiras..."
(Rivalcir)



Embalados pelo som de um violão
sempre cantando, dançando felizes.
Somos ciganos cheios de amor e paixão.
Somos do mundo, eternos aprendizes.

Nossas vidas mergulham pela estrada afora.
nossos sonhos não têm destino.
Para nós o que existe é o aqui e o agora,
pois, temos alma de peregrinos.

Ser cigano é dançar em volta das fogueiras,
é cantar a mais linda melodia
Apaludir as moças com seus colares, brincos e pulseiras,
belas durante à noite e guerreiras durante o dia

É ter a alma pura e liberdade
é ter o dom da clarividência
é viver com dignidade
seguir suas leis com obediência!

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Mais um ano, meu filho!


Nossa, 23 anos se passaram...
parece que foi ontem.
Um exame nas mãos:
Positivo!!!
Várias sensações ao mesmo tempo
um pouco de medo, preocupação
mas, a maior delas:
Felicidade!
e nesta data, há 23 anos atrás
estava me preparando para ganhar
o maior presente de toda a minha vida.
Assustada?? Talvez um pouquinho.
Mas nada tirava de dentro do meu ser,
a sensação de ansiedade,misturada com felicidade.
A vontade de te ver.
A melhor sensação que tive até hoje.
Não sei explicar.
talvez se tentasse me enrolaria com as palavras
e não conseguiria .
Como está acontecendo nesse exato momento.
Quero falar, exprimir o que sinto nessa data
há 23 anos e não consigo.
Eu lembro, eu choro de emoção
Meus pensamentos viajam pra longe.
Não consigo me lembrar como era a vida
sem você, antes de você existir.
Estranho né?
A sensação que tenho é que você sempre esteve comigo.
Lembro de você desde quando eu me conheço por gente.
Mesmo quando me lembro de coisas da minha infância
época que nem imaginava que você existiria um dia,
lembro como se você existisse.
Muito estranho.
O mais estranho é que, mesmo antes de pegar o exame
e ver escrito : Positivo, eu já conversava com você
Tinha certeza de que você estava lá, dentro de mim
Fazendo parte de mim, dos meus planos, da minha vida
da minha felicidade.
Isso é AMOR.
AMOR de verdade, que chega a doer de tanto que amo.
Meu filho, eu poderia escrever, horas e horas sem parar.
Encher folhas e folhas sem fim e não conseguiria expressar
o amor que sinto por você.
Parabéns, mais uma vez, amor da minha vida, razão da minha existência
Um dia, quem sabe, vou conseguir descrever, o tamanho do meu amor por você.
Agora só digo, amo você.
Daqui até aqui, dando milhões de voltas no mundo,rs.
Lembra quando eu perguntava e você me dizia isso?
Pois é, é um amor imensurável.
Por isso, daqui até aqui, dando voltas no mundo infinitas vezes.
É assim que amo você.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

No silêncio da noite vazia.


É no silêncio da noite vazia,desprovida de ruídos e luz
que me vem a inspiração.
Ouço apenas os latidos dos cães
ao longe um ou outro roncar de motor.
É no silêncio da noite vazia
que meus pensamentos começam a tomar forma.
As lembranças que me atormentam de dia,
na noite vazia parecem lavas furiosas de um vulcão.
Lembranças tristes, lembranças alegres,
lembranças doídas,às vezes sofridas de se lembrar.
Lembranças de breves momentos infelizes,
lembranças de muitos momentos alegres.
E é no silêncio da noite vazia
que essas lembranças me inspiram a escrever e deixá-las voar sob o papel, livremente.
Somente eu, em meu canto sonhando acordada.
Pensando os mais absurdos pensamentos,
porque é o momento em que eu me encontro
no silêncio da noite vazia.
A noite silenciosa me arrasta por vales e rios,por campos de flores.
Me arrasta também, por lugares de horrores.
Surgem em mim, todos os meus temores.
E os temores , no silêncio da noite vazia
se fazem presentes para que eu possa, um dia
vencer, um a um.
Deixando de lado, toda a covardia,que aparece de dia
e eu não tenho coragem, de encará-los nos olhos.
Será no silêncio de uma noite vazia,que tudo o que sinto
se apagará finalmente.
O passado, passará.
Viverei plenamente o presente,esperando um futuro
no qual, mentes doentes,se afastarão de seres humanos carentes.
O mal se afastará e o bem reinará.
No silêncio da noite vazia, fantasmas não mais aparecerão,
dores não mais existirão.
No silêncio da noite vazia,fecharei os meus olhos e finalmente,com meu coração tranquilo,dormirei aguardando o primeiro raio de sol,surgir em minha janela.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Meu Homem-menino


Esse texto foi feito para a pessoa que me completa e a quem eu daria a minha vida.

Se eu pudesse descrever
o amor que por ti eu sinto
nessa folha não caberia.
Apenas relembraria
a felicidade de niná-lo em meus braços
quando tão pequeno tu eras.

Quando penso em um grande amor
penso logo em seu rosto me olhando
suas mãozinhas estendidas
em minha direção.
Tão boa aquela sensação
de te proteger
te ensinar a viver
apresentar-lhe o mundo
e vê-lo crescer.

Quando penso em você
penso como surgiu
de um grande amor
que um dia existiu.
Você para mim
é vida, é todo meu ser
te daria o mundo
se possível fosse.

Se estivesse em minhas mãos
jamais sofreria
Nunca se decepcionaria
se eu pudesse escolher.
Como não é possível
te ensinei a viver.

Hoje olho para você
com orgulho de mim
por ter dado o amor
enorme, sem fim.

A cada dia que passa
lembro você pequenino
ainda um menino
sorrindo pra mim
e dizendo assim:
Mamãe, eu te amo,
daqui até aqui
dando voltas e voltas
infinitas vezes.

Menino tão lindo
nunca se esqueça
que você para mim
é meu tudo sem fim.
Te amo assim
Tão simples assim.

Um anjo?


Esse texto é para meu amigo-anjo Bruno, com todo o meu carinho e agradecimento.

Difícil explicar como ele surgiu.
Esse anjo do céu que, um dia
para mim sorriu.

Tem olhar de menino
atitudes de homem.
Nem sei bem o seu nome.

Seu rosto de perto
também nunca vi
só sei que pra mim.
Ele sempre sorri.

Às vezes me encontro
em grande solidão
O anjo aparece
em total conexão.

Ele tem o poder
de me fazer rir
e mesmo, sem querer
tem o dom de suprir
todo o vazio
que domina meu ser.

Esse anjo-menino
cujo nome nem sei
é um presente Divino
que um dia sonhei.

Traz consigo a calma
que sempre desejei ter.
Ele entende minh'alma
e mesmo sem perceber
me ajuda a vencer.

Esse anjo-menino
que conversa comigo
É um presente Divino
e também grande amigo.

Um anjo?
Talvez apenas um menino
Cujo rosto nunca vi
mas que me faz sentir
vontade de sorrir.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Reedificação





Num momento sublime de mudanças
minha vida se transforma,
se deforma, se esvazia
de certos conceitos e também preconceitos.
Num momento sublime de mudanças
Posso ir por aqui
ou então não caminhar e no tempo, parar.
Posso estar vendo a estrada
ou meus olhos só podem ver
as tristes madrugadas
que passei, sem perceber, a chorar.

Momento de reflexão,submissão
ou momento de reedificação...
Decomposição dos erros.
Substituição por acertos.
Momento insano, vadio ou profano
ou momento de engano?
Momento em que a mente
apela com sofreguidão
por algum conselho, alguma direção.

Momento de mudanças, com ou sem esperanças.
Mudando a vida, mudando até mesmo
o meu caminhar,
Viajando na estrada que não sei bem onde vai dar.
Momento de medo, momento de glória
Momento de erro, também de acerto.
Momento de submissão ou momento
de reedificação?

Escolho um caminho
vou trilhar essa estrada.
Pensar que ao menos, tento mudar.
Mudar para melhor
ou para pior?
Jamais saberei
pois,nunca sonhei
com esse momento da vida de pernas pro ar.
É chegado o momento de caminhar.
Tentar de qualquer forma encontrar
o melhor caminho que eu possa trilhar.

De mãos estendidas


Esse texto foi uma inspiração minha e do meu amigo Bruno(http://umbfeverdadeira.blogspot.com/)

Emoção quando vejo um velhinho
sem lar e sem pão.
Sentado na rua
de mãos estendidas
pedindo um tostão.
Pra qualquer um que passe
diante do velho sem dar atenção.
Emoção quando vejo um velhinho,sem pão.
Humilde, o pobre velhinho
implorando um pouco
de nossa atenção.
Vestido em farrapos
pedindo humilde,
apenas um pouco
de atenção.
Que emoção quando vejo
um velhinho sem pão.
E, os sem coração,
que olham pra ele
sem ter piedade.
Não dão atenção
ou estendem suas mãos
para aquele velhinho sem pão,
sentado no chão,
pedindo carinho
amor e atenção.

Sinais.


Texto inspirado em Firmando Um Ponto...
http://coisasdecasados.blogspot.com

Os sinais,às vezes, passam
despercebidos diante de nossos olhos
procuramos respostas e não encontramos
mas bastaria olhar um pequeno sinal
e teríamos a resposta para tantos tormentos.
E com um simples, prestar atenção
daríamos por encerrado
tanto lamento e tanta aflição
que nossas almas sofridas carregam há tempos.
Almas sofridas,muitas vezes, feridas
atormentadas por fantasmas da imaginação.
Apenas um olhar, uma simples atenção
a um sinal que diante dos olhos
por muitas vezes passeiam
e não enxergamos, pois, cegos somos
em nossa própria distração.
E o sofrimento se arrasta
devasta as almas, machuca e judia
por não prestar atenção
a um simples sinal
que diante dos olhos
não chama a atenção
mas que poderia
ser a resposta perfeita
para um sofrimento
que machuca e não respeita
a dor de um coração.
quero estar sempre atenta
ao menor sinal
que surja diante dos meus olhos
pois, estes sinais, que vem e vão
na esperança que um dia
alguém preste atenção
para que; com sabedoria
consiga ultrapassar as barreiras
e se livrar da cegueira
que tanto atrapalha
a nossa evolução.

domingo, 28 de novembro de 2010

Cigana.


Minha inspiração para esse texto:Povo Cigano - CIGANOS NA UMBANDA
http://umbfeverdadeira.blogspot.com/

Dançando, a menina faceira
ao lado de uma fogueira
é ela, a magia e pureza
a alma contente a bailar.

Sua saia rodopiando
ao lado de uma fogueira
vem linda e brejeira, a cigana
com sua luz, encantar.

Baila, baila cigana bonita
há magia em seu olhar
com seu laço vermelho de fita
e sua saia a rodopiar.

Cigana que dança a magia
que traz em suas mãos um punhal
vem trazer sua imensa energia
brindar a todos com sua alegria.

Se eu fosse essa linda cigana
meu sorriso te encantaria
faria quem sabe um encanto
e seus sonhos realizaria.

Baila, baila linda ciganinha
sua luz só me traz harmonia
realiza todos os meus desejos
me presenteie com sua alegria.

Um dia a cigana bonita
te acolherá com muito calor
confie em suas palavras
pois,te trará um lindo amor.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

O vento


Esse texto dedico para o meu amigo, um anjo chamado Bruno, pois ele me inspirou essas palavras.

O vento que bate em meu rosto
levando os meus pensamentos pra longe.

Talvez para um mundo de sonhos
ou, quem sabe,um mundo real.

O vento que ouço
uivando mansinho.

Chega a arrepiar
o meu corpo todinho.

o vento que traz
a brisa do mar
e o cheiro de sal.

O meu corpo sentindo
o respingar das águas
que tão mansamente me abraçam.

O vento de longe
batendo nas matas
trazendo o cheiro
do verde e das flores.

O vento que vai
o vento que vem.

O vento que atrai
e também detém.

O vento que bate
na minha janela
pode ser o vento
que traz liberdade
ou talvez aprisione.

O vento parece
com os meus pensamentos
que vão e vem
sem deixar nenhum rastro.

Vento que venta
que bate em meu rosto
e me leva além.

É a brisa do vento
que tira o tormento
e me faz sentir
tão bem.

Emoção x Razão


Dedico esse texto a minha maninha Karina Andrade, pois ela me deu a inspiração para que ele existisse.

Na vida, as emoções que afloram
em nossos corações
são lembranças talvez
de um passado que pode
nao ser tao distante
mas que mexe comigo
mexe com os meus pensamentos.

A lembrança de emoções que talvez
possam ter sido vividas
há muito tempo atrás.

Emoção não combina com a razão
pois, esta tem os pés fincados no chão.

E a emoção, quando brota no peito
traz o choro, a saudade,
o riso e a vontade
de sair por aí
gritando bem alto
para o mundo ouvir:

Eu quero sentir,chorar sem motivos
e ao mesmo tempo sorrir
de alegria, tristeza,ou talvez emoção
a alma que busca, desesperado acalanto
não quer parar para pensar na razão
quer apenas deixar
aflorar a emoção
e gritar com toda força
o que vai em seu coração.

Onde está a rosa?


Onde está a beleza
daquela rosa que um dia
eu narrei em verso e prosa?

Onde está a doçura
daquele olhar de ternura
que um dia me fez chorar?

Traga a rosa de volta pra mim
pois, quero em verso e prosa
enfeitar o meu jardim.

Olhe bem nos meus olhos
que chora de tanta tristeza
e imagina em seus sonhos, a beleza.

A beleza daquela rosa
que um dia você trouxe pra mim
e eu narrei, em verso e prosa.

Olhe bem nos meus olhos
eles choram de tanta tristeza
por que se foi a beleza.

Lembra daquela rosa
que um dia enfeitei meu jardim?
traga de volta pra mim.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Reencontrando a grande Guerreira


Distante da velha estrada
sentada em uma clareira
cansada da longa jornada
olhando para a cachoeira

procurava dentro de mim
a guerreira forte que um dia
travou batalhas sem fim
e venceu com sabedoria

onde estaria a senhora
que com tanta coragem e ousadia
andou por esse mundo afora
distribuindo energia

Essa guerreira tão forte
se escondeu dentro do meu ser
estou de cara com a morte
dela preciso para viver

olhei para a mata fechada
ouvi uma voz me dizer
busque na vida passada
a sua razão de viver

uma luz surgiu a minha frente
eu pude olhar sem temer
a guerreira que docemente
vinha para me dizer

eu sempre estive contigo
dentro de ti sempre estarei
e quando se deparar com o perigo
me chame que te atenderei

não tema nada na vida
pois ela trará surpresa
mas sempre encontrará uma saída
eu lutarei em tua defesa

a partir daquele momento
entendi que era tão forte
e que nenhum desapontamento
venceria a minha sorte

foi assim que a libertei
eu sou a grande guerreira
sou forte e jamais temerei
sou capaz de destruir qualquer barreira.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Coração é terra que ninguém vê




Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Sachei, mondei - nada colhi.
Nasceram espinhos
e nos espinhos me feri.

Quis ser um dia, jardineira
de um coração.
Cavei, plantei.
Na terra ingrata
nada criei.

Semeador da Parábola...
Lancei a boa semente
a gestos largos...
Aves do céu levaram.
Espinhos do chão cobriram.
O resto se perdeu
na terra dura
da ingratidão

Coração é terra que ninguém vê
- diz o ditado.
Plantei, reguei, nada deu, não.
Terra de lagedo, de pedregulho,
- teu coração. Bati na porta de um coração.
Bati. Bati. Nada escutei.
Casa vazia. Porta fechada,
foi que encontrei...

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Eparrei Iansã! Oraieieu Oxum!


Que Mamãe Iansã em sua infinita bondade
possa enviar sua ventania , raios e trovões
para que carreguem toda a maldade
maus pensamentos e todas as falsas ilusões.

Que eu possa desabrochar
Para a luz da felicidade
e também ultrapassar
todas as barreiras com amor e serenidade

Como Mãe Iansã quero ser uma guerreira
Me levantar com uma espada na mão
carregando sempre a sua bandeira
e cumprindo a minha missão

Sou filha de Oxum, deusa das cachoeiras
Menina-mulher , às vezes sensível
Admiro Iansã, a valente guerreira
com a sua força, mulher invencível

Com a força do vento, do raio e trovão
e a tranquilidade das águas da cachoeira
saio inteira dessa falsa prisão
Luto com fé venço toda barreira.

Eparrei Iansã! Oraieieu minha Mãe Oxum!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Com o tempo...


Há muito o que escrever e ao mesmo tempo nada
quando a luz do sol aparecer novamente em minha janela
este é o tempo
o tempo de florescerem os campos
o tempo das flores se abrirem
o tempo de esquecer as mágoas
o tempo de seguir por um novo caminho.
É o tempo que o tempo passou
o tempo que não voltou
o tempo que deixou de ir.
Quando o sol bater novamente em minha janela
é um sinal de que o tempo chegou
O tempo de novas alegrias e talvez
novas preocupações
mas é chegada a hora
o tempo de não mais sofrer
o tempo de realizar
o tempo de sonhar
o tempo de sorrir.
É o tempo de viver!

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Super-Herói (Não é fácil!)




versão brasileira para o Super Heroi americano.


Não quero imitar Deus ou coisa assim,
só quero encontrar o que é melhor em mim,
ser mais do que alguém que sai num jornal
mais do que um rosto num comercial.
E não é fácil viver assim,
se eu quiser chorar não ter que fingir,
sei que posso errar,
que é humano se ferir.
Parece absurdo mais tente aceitar,
que os heróis também podem sangrar,
posso está confuso mais vou me lembrar que os
heróis também podem sonhar.
E não é fácil viver assim.
Seja como for agora eu sei que o meu papel,
não é ser herói no céu, é na terra, que eu vou viver.
Eu não sei voar,
isso é ilusão,
ninguém pode andar, com os pés fora do chão.
Sou só mais alguém querendo encontrar
a minha própria estrada pra trilhar,
apenas alguém querendo encontrar
a minha própria forma de amar, de amar, amar, aaaaaa,yeah
Sou só mais alguém querendo encontrar
a minha própria estrada pra trilhar,
apenas alguém querendo encontrar,
não é fácil,
e não é fácil viver
viver,
assim.

Texto enviado por Mauricio Gonçalves, meu GRANDE,ILUMINADO e QUERIDO, amigo e irmão.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

A Rosa e Eu


Era manhã de verão,
quando meus olhos se abriram.
Levantei de meu leito quente
E abri a minha janela.
Percebi um belo botão.
Um botão de rosa vermelha,
florescendo em meu jardim.
Meus olhos radiantes,
diante de tanta beleza,
sorriram para o botão.
Com muito amor e carinho,
cuidei dessa linda florzinha.
Todos os dias, pela manhã,
eu ia até o jardim.
Regava a flor tão bonita.
Tirava de sua volta as pragas,
que , por ventura, surgiam.
Enfim, o botão se abriu.
E uma linda rosa vermelha,surgiu.
Pensei em enfeitar minha casa,
resolvi apanhar a flor bela.
No momento em que a toquei,
seus espinhos me feriram tão fundo,
que meu sangue pela mão,
tão vermelho quanto aquela rosa.
Com o susto, soltei a flor,
E com tristeza, eu lhe perguntei:
- Oh! rosa vermelha, ingrata,
porque me feristes assim?
- Eu cuidei de você,
a plantei no meu jardim.
Alimentei-a todos dias.
Tirei as pragas que queriam
Devorá-la no meu jardim.
Porque me feristes assim?
E a rosa, calmamente,
respondeu para mim:
- Eu agradeço o bem,
que você sempre me fez,
mas, isso não te dá o direito
de me tirar do seu jardim.
- As flores assim como o homem
nascem, crescem florescem e
um dia murcham , deixando no solo fértil
as sementes para o futuro.
Você cuidou de mim,
mas lembre-se que eu sou uma rosa,
que vivo no seu jardim.
Você pode me admirar
pode também cuidar de mim.
Só não pode impedir,
que eu me defenda de ti
e viva o meu destino,
morando no seu jardim.
No exato momento em que quis
tirar-me do meu destino,
apenas me defendi.
Ouvindo a explicação da rosa,
me arrependi de meu gesto.
Havia cuidado da flor,
Mas, isso não me dava o direito,
de tirá-la da sua morada eterna,
que era o meu jardim.
E olhando em meus olhos, me disse:
- Quando cuidamos de alguém,
fazemos com muito amor,
mas isso não quer dizer,
que um dia ela não vá poder,
seguir seu caminho.
Portanto,não se entristeça,
por ela seguir seu destino.
Ouvindo isso da rosa,
resolvi seguir meu caminho.
Andando, às vezes sozinha
Também sigo o meu destino.

By Mara Tozatto

quinta-feira, 29 de julho de 2010


Um convite para todos os Umbandistas e não Umbandistas,que sejam pessoas sérias, com vontade de aprender, de ensinar, de ouvir uma boa canção louvando aos Orixás.
Visitem o portal Mundo Aruanda.
Serão todos muito bem vindos.
Um portal sério, de pessoas que estão verdadeiramente comprometidas com a Umbanda.
Mundo Aruanda e Rádio Ao Som dos Orixás, a minha, a sua a NOSSA Rádio de Umbanda.
Com as bençãos de nosso Pai, já atingimos, em apenas 2 semanas, mais de 1.500 visitas.
A nossa Rádio Ao Som dos Orixás, lançou o novo cd de Valéria Barbosa e agora tem, em primeira mão a mais nova música de Liz Hermann, Ogum Beira Mar (pré-gravação).
Não temos a pretensão de sermos os donos da verdade e sim, um canal para o aprendizado e a troca de conhecimentos.
Acesse:
www.mundoaruanda.com

Os Filhos de Oxum



Dão muito valor à opinião pública, fazem qualquer coisa para não chocá-la, preferindo contornar as suas diferenças com habilidade e diplomacia.
São obstinadas na procura dos seus objectivos.

Oxum é o arquétipo daqueles que agem com estratégia, que jamais esquecem as suas finalidades; atrás da sua imagem doce esconde-se uma forte determinação
e um grande desejo de ascensão social.

Têm uma certa tendência para engordar, a imagem do gordinho risonho e bem-humorado combina com eles. Gostam de festas, vida social e de outros prazeres
que a vida lhes possa oferecer. Tendem a uma vida sexual intensa, mas com muita discrição, pois detestam escândalos.

Não se desesperam por paixões impossíveis, por mais que gostem de uma pessoa, o seu Amor próprio é MUITO MAIOR. Eles são narcisistas demais para gostar
muito de alguém.

Graça, vaidade, elegância, uma certa preguiça, charme e beleza definem os filhos de Oxum, que gostam de jóias, perfumes, roupas vistosas e de tudo que é
bom e caro.

O lado espiritual dos filhos de Oxum é bastante aguçado. Talvez por isso, algumas das maiores Yalorixás da história do Candomblé, tenham sido ou sejam de
Oxum.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Eternos passageiros


Somos eternos passageiros de um lindo raio de luz que nos conduz por uma viagem intensa, com destino à eternidade.Conseguir perceber, sentir e tocar esse raio de luz é como manter uma comunicação permanente com nossos anjos iluminados.
Afinal, os anjos são nossos guias e protetores, que, de uma forma abençoada, nos conduzem ao entendimento, compreensão, amor e, principalmente, incentivam a construção de uma vida de plena harmonia com o universo.
Olhe para o céu e deixe que seu coração seja banhado por esse oceano de luz que irá transformar a sua vida.
Agradeça a Deus por esse fio de luz que transforma nossos horizontes de felicidade e vida.
Deixe que esse fio ilumine sua vida com os raios de felicidade.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Mundo Aruanda

Eu e o Beto,um amigo querido, conversando, resolvemos criar um portal. Esse portal
se chama "Mundo Aruanda", nele haverá notícias,vídeos, artigos sobre Umbanda, Candomblé, Kardecismo e outras religiões espíritas,música, sim, música.Dentro desse portal, funcionará a Rádio "Ao Som dos Orixás", tocando as músicas e pontos que todos nós gostamos de ouvir, em nossa programação que será de 24hs por dia, vc poderá pedir a música que mais gosta, poderá tb fazer downloads de algumas músicas que disponibilizaremos.
O portal e a rádio, serão inaugurados nesse domingo, dia 11/07/2010.
Acesse, a partir de domingo: www.mundoaruanda.com
Teremos um imenso prazer de poder contar com a sua participação e audiência.
Espero vc lá.
Um grande Axé!

terça-feira, 6 de julho de 2010

Criança

Criança é presente de Deus.
É o céu iluminando nossas janelas todas as manhãs,
é colibri cantando e batendo as suas asinhas livremente.
Criança é pura travessura e energia,
é luz, sinceridade e amor.
Criança não finge,
criança é autêntica.
Criança fala a mais dura verdade num tom natural,
que jamais magoa.
Criança é vida, é luz, é calor, é carinho.
Ser criança é ser poesia.
Infância é um poema de inocência,
é um verso de amor, um céu de alegria.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Homenagem a Oxossi e a todo o povo indígena.

TRIBUTO AO ÍNDIO

Antes de nossa chegada
Como o índio era feliz!
Tinha a mãe natureza
Como suprema matriz
Da qual extraía a seiva
Necessária ao seu matiz.


A mãe natureza era
Ao extremo respeitada
Porque o índio entendia
Que sem ela ele era nada.
Neste tempo, Pindorama,
Realmente foste amada!

Não tinha poluição,
Queimadas, desmatamento.
Não havia inseticida.
Era puro, o alimento.
O globo sorria alegre
Livre do aquecimento.

O índio só extraía,
da natureza, a essência
A qual fosse necessária
À sua sobrevivência.
Tinha então com o meio
Perfeitíssima convivência.

Não tinha capitalismo
Selvagem ou domesticado.
Com união e respeito,
Todo mundo era tratado.
Cada índio tinha o seu
Espaço igual reservado.

Então chega o europeu
Com o "verdadeiro ideal"
De vida e se escandaliza
Diante do Natural.
Fareja a terra do índio
Como alvo principal.

O índio então vai cedendo
Iludido ou obrigado.
Entrega suas riquezas
Entre elas o legado
Cultural que invadido
Se torna fragilizado.

Quando o índio percebe
Deus! Já é tarde demais...
Os que se diziam amigos
Eram inimigos fatais.
Tomariam suas terras
Com covardia voraz.

Um minuto de silêncio,
Peço ao amigo leitor
Pelo massacre expedido
Que causara grito e dor.
Chamamos dizimação,
Esses atos de horror.

Sinto-me envergonhado,
Caro índio, nesse dia.
Sei que nenhuma desculpa
Vai curar a tirania
Praticada contra ti.
Teu sangue não silencia.

Mesmo assim peço perdão
Por todo o mal que te fiz.
Não é certo massacrar.
Dar vazão à cicatriz
Incurável em função
Da construção de um país.

Se for possível perdoe
Esta vã humanidade
Que se destrói dia-a-dia.
Para ela, na verdade,
O dinheiro e não a vida
Tem maior prioridade.

Percorro quinhentos anos
E ao povo índio contemplo
Na certeza de que ele
É o mais elevado exemplo
De vida a ser seguido
Pelo mundo em qualquer tempo.

Autor: Manoel Messias Belizario Neto



segunda-feira, 21 de junho de 2010

Jupira


A brisa leve com suas mãos transparentes,
lambe as verdes folhas soltas no ar.
Ao som dos pássaros cantando melodiosa e mansamente
Sucessivamente como canções de ninar.

Arrastam seu pensamento até a linda fonte,
de águas tão límpidas rolando sobre pedras coloridas.
O olhar perdido no horizonte,
Quem sabe há uma jóia nas pedras,escondida?

Para enfeitar o cabelo tão negro e macio,
da linda mocinha de pele morena.
Sentada na relva às margens do rio.
Seu nome Jupira, cabocla serena.

Amiga do vento, do sol e por certo,
da lua que clareia as noites na mata.
Também das estrelas que brilham no céu.

Menina linda, pura e tão calma,
como águas mansas no riacho a rolar.
Traz na verdade dentro de sua alma,
uma grande guerreira disposta a lutar.
Ela é filha querida do Pai Oxalá.

terça-feira, 15 de junho de 2010

OXUM

Conta-nos uma lenda, que Oxum queria muito aprender os segredos e mistérios da arte da adivinhação, para tanto, foi procurar Exú.

Exú, muito matreiro, falou à Oxum que lhe ensinaria os segredos da adivinhação, mas para tanto, ficaria Oxum sobre os domínios de Exú durante sete anos, passando, lavando e arrumando a casa do mesmo, em troca ele a ensinaria.

E, assim foi feito, durante sete anos Oxum foi aprendendo a arte da adivinhação que Exú lhe ensinará e consequentemente, cumprindo seu acordo de ajudar nos afazeres domésticos na casa de Exú. Findando os sete anos, Oxum e Exú, tinham se apegado bastante pela convivência em comum, e Oxum resolveu ficar em companhia desse Orixá.

Em um belo dia, Xangô que passava pelas propriedades de Exú, avistou aquela linda donzela que penteava seus lindos cabelos a margem de um rio e de pronto agrado, foi declarar sua grande admiração para com Oxum.

Foi-se a tal ponto que Xangô, viu-se completamente apaixonado por aquela linda mulher, e perguntou se não gostaria de morar em sua companhia em seu lindo castelo na cidade de Oyó. Oxum rejeitou o convite, pois lhe fazia muito bem a companhia de Exú.

Xangô então irritado e contrariado, seqüestrou Oxum e levou-a em sua companhia, aprisionando-a na masmorra de seu castelo. Exú, logo de imediato sentiu a falta de sua companheira e saiu a procurar, por todas as regiões, pelos quatro cantos do mundo sua doce pupila de anos de convivência.

Chegando nas terras de Xangô, Exú foi surpreendido por um canto triste e melancólico que vinha da direção do palácio do Rei de Oyó, da mais alta torre. Lá estava Oxum, triste e a chorar por sua prisão e permanência na cidade do Rei.

Exú, esperto e matreiro, procurou a ajuda de Òrùnmílá, que de pronto agrado lhe cedeu uma poção de transformação para Oxum desvencilhar-se dos domínios de Xangô. Exú, através da magia pode fazer chegar as mãos de sua companheira a tal poção. Oxum tomou de um só gole a poção mágica e transformou-se em uma linda pomba dourada, que voou e pode então retornar em companhia de Exú para sua morada.

LENDAS

Logo que todos os Orixás chegaram à terra, organizavam reuniões das quais mulheres não podiam participar. Oxum, revoltada por não poder participar das reuniões e das deliberações, resolve mostrar seu poder e sua importância tornando estéreis todas as mulheres, secando as fontes, tornando assim a terra improdutiva.

Olodumaré foi procurado pelos Orixás que lhe explicaram que tudo ia mal na terra, apesar de tudo que faziam e deliberavam nas reuniões. Olodumaré perguntou a eles se Oxum participava das reuniões, foi quando os Orixás lhe disseram que não. Explicou-lhes então, que sem a presença de Oxum e do seu poder sobre a fecundidade, nada iria dar certo.

Os Orixás convidaram Oxum para participar de seus trabalhos e reuniões, e depois de muita insistência, Oxum resolve aceitar. Imediatamente as mulheres tornaram-se fecundas e todos os empreendimentos e projetos obtiveram resultados positivos. Oxum é chamada Iyalodê (Iyáláòde), título conferido à pessoa que ocupa o lugar mais importante entre as mulheres da cidade.


OXUM

Nome de um rio na Nigéria, em Ijexá e Ijebú. Segunda mulher de Xangô, deusa do ouro, riqueza e do amor. A Oxum pertence o ventre da mulher e ao mesmo tempo controla a fecundidade, por isso as crianças lhe pertencem. Dona dos rios e cachoeiras gosta de usar colares, jóias, tudo relacionado à vaidade, perfumes, etc.


O ARQUÉTIPO DE OXUM

As pessoas de Oxum são vaidosas, elegantes, sensuais, adoram perfumes, jóias caras, roupas bonitas, tudo que se relaciona com a beleza. Gostam de chamar a atenção do sexo oposto. São boas donas de casa e companheiras, despertam ciúmes nas mulheres e se envolvem em intrigas.

Oxum é destemida diante das dificuldades enfrentadas pelos seus. Ela usa sua sensualidade para salvar sua comunidade da morte. Dança com seus lenços e o mel, seduzindo Ogum até que ele volte a produzir os instrumentos para a agricultura.

Assim a cidade fica livre da fome e miséria. Oxum enfrenta o perigo quando Olodumare, Deus supremo, ofendido pela rebeldia dos orixás, prende a chuva no orum (Céu), deixando que a seca e a fome se abatam sobre o aiê (a Terra). Transformada em pavão, Oxum voa até o deus maior, para suplicar ajuda.

Mesmo tornando-se abutre pelo calor do sol, que queima-lhe, enegrecendo as penas, ela alcança a casa de Olodumare. Indignada por se perceber excluída da reunião de orixás masculinos, Oxum torna estéreis todas as mulheres até que ela seja convidada para o encontro.

Uma demonstração de que com ela é assim: bateu, levou. Não tolera o que considera injusto e adora uma pirraça. Da beleza à destreza, da fragilidade à força, com toque feminino de bondade, é assim o jeito dessa deusa-heroína. Sensível à condição de fraqueza, Oxum se dispõe a aliviar o sofrimento alheio.

Assim ela o faz quando Oxalá tem seu cajado jogado ao mar e a perna ferida por Iansã. Oxum vem para ajudar o velho, curando-o e recuperando seu pertence. Ela é adorada por Oxalá. A deusa do amor parte com um ebó até Olodumare, para que não haja mais seca na Terra. No caminho ela não hesita em repartir os ingredientes da oferenda com o velho Obatalá e as crianças que encontra, e mesmo assim alcança seu objetivo pela comoção de Olodumare.

Com grande compaixão, Oxum intercede junto a Olodumare para que ele ressuscite Obaluaiê, em troca do doce mel da bela orixá. E ela garante a vida alheia também ao acolher a princesa Ala, grávida, jogada ao rio por seu pai. Oxum cuida da recém-nascida, a querida Oiá.

Com suas jóias, espelhos e roupas finas, Oxum satisfaz seu gosto pelo luxo. Ambiciosa, ela é capaz de geniais estratagemas para conseguir êxito na vida. Vai à frente da casa de Oxalá e lá começa a fazer escândalo, caluniando-o aos berros, até receber dele a fortuna desejada para então calar-se. E assim Oxum torna-se "senhora de tanta riqueza como nenhuma outra Yabá (Orixá femino) jamais o fora".

A vontade de conhecer os segredos do destino faz com que Oxum, esperta que é, coloque seu poder de atração sexual em acordos para esse fim. Ela é especialista no toma-lá-dá-cá. É desse modo que aprende a arte da adivinhação com Exu, e as roupas de Obatalá, e as vestes do "Senhor do Pano Branco" pelo segredo do Ifá.

Assim Oxum se torna senhora do jogo de búzios. Beleza, agilidade e astúcia são ingredientes do sucesso deste orixá. No amor Oxum é ardorosa, de tão formosa e quente que é. Oxum luta para conquistar o amor de Xangô e quando o consegue é capaz de gastar toda sua riqueza para manter seu amado.

Ela livra seu querido Oxósse do perigo e entrega-lhe riqueza e poder para que se torne Alaketu, o rei da cidade de Ketu. Oxum provoca disputa acirrada entre dois irmãos por seu amor: Xangô e Ogum, ambos guerreiros famosos e poderosos, o tipo preferido por ela. Xangô é seu marido, mas independente disso, se um dos dois irmãos não a trata bem, o outro se sente no direito de intervir e conquistá-la.

Afinal Oxum quer ser amada e todos sabem que ela deve ser tratada como uma rainha, ou seja, com roupas finas, jóias e boa comida, tudo a seu gosto. A beleza é o maior trunfo do orixá do amor. Como esposa de Xangô, ao lado de Obá e Oiá, Oxum é a preferida e está sempre atenta para manter-se a mais amada.

Ela adora enganar Obá. Oxum induz Obá a cortar a própria orelha para cozinhar e servir para Xangô, dizendo ser o prato preferido do marido, que na verdade fica enojado e enfurecido. Ela também engana Eleguá que, a serviço de Obá para fazer um sacrifício, corta erradamente o rabo do cavalo de Xangô. Outra vez Obá queria agradar seu marido, mas acaba odiada por ele.

Oxum definitivamente quer o fracasso de quem considera rival. Foi de Oxum a delicada missão dada por Olodumare de religar o orum (o céu) ao aiê (a terra) quando da separação destes pela displicência dos homens. Tamanho foi o aborrecimento dos orixás em não poder mais conviver com os humanos que Oxum veio ao aiê (a terra) prepará-los para receber os deuses em seus corpos.

Juntou as mulheres, banhou-as com ervas, raspou e adornou suas cabeças com pena de ecodidé (pena de um passáro sabrado), enfeitou seus colos com fios de contas coloridas, seus pulsos com idés (pulseiras), enfim as fez belas e prontas para receberem os orixás. E eles vieram. Dançaram e dançaram ao som dos atabaques e xequerês.

Para alegria dos orixás e dos humanos estava inventado o Candomblé. Os mitos da Oxum mostram o quão múltipla é sua personalidade. (Prandi, 1997).



Trecho extraído e adaptado de:
PRANDI, Reginaldo - Mitologia de Orixás,
Mitos afro-americanos reunidos e recontados.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Final da Batalha.


O Guerreiro raramente sabe o resultado de uma batalha quando esta acaba.
O movimento da luta gerou muita energia a sua volta, e existe um momento onde tanto a vitória como a derrota ainda são possíveis. O tempo irá dizer quem venceu ou perdeu; mas ele sabe que, a partir daquele momento, não pode fazer mais nada: o destino daquela luta está nas mãos de Deus.
Nestes momentos, o Guerreiro da Luz não fica preocupado com os resultados. Examina seu coração e pergunta: "Combati o Bom combate?". Se a resposta é positiva, ele descansa. Se a resposta é negativa, ele pega a sua espada e começa a treinar de novo.
Manual do Guerreiro da Luz.
Paulo Coelho.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Eu aprendi...


Eu aprendi...
...que ignorar os fatos não os altera;

Eu aprendi...
...que quando você planeja se nivelar com alguém, apenas esta permitindo que essa pessoa continue a magoar você;

Eu aprendi...
...que o AMOR, e não o TEMPO, é que cura todas as feridas;

Eu aprendi...
...que ninguém é perfeito até que você se apaixone por essa pessoa;

Eu aprendi...
...que a vida é dura, mas eu sou mais ainda;

Eu aprendi...
...que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu.

Eu aprendi...
...que quando o ancoradouro se torna amargo a felicidade vai aportar em outro lugar;

Eu aprendi...
...que não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito;

Eu aprendi...
...que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você esta escalando-a;

Eu aprendi...
...que quanto menos tempo tenho, mais coisas consigo fazer.

quinta-feira, 10 de junho de 2010


Hoje levantei cedo pensando no que tenho a fazer antes que o relógio marque meia noite. É minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje. Posso reclamar porque está chovendo ou agradecer às águas por lavarem a poluição. Posso ficar triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças, evitando o desperdício. Posso reclamar sobre minha saúde ou dar graças por estar vivo. Posso me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que eu queria ou posso ser grato por ter nascido. Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou agradecer por ter trabalho. Posso sentir tédio com o trabalho doméstico ou agradecer a Deus. Posso lamentar decepções com amigos ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades. Se as coisas não saíram como planejei posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar. O dia está na minha frente esperando para ser o que eu quiser. E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma. Tudo depende só de mim.

domingo, 6 de junho de 2010

O MÉTODO DO ARREPENDIMENTO


No período da primavera e do outono da história chinesa, durante a dinastia Chou (800-400 aC.), existiam muitos oficiais que tinham a habilidade de prever o futuro de um homem apenas observando suas palavras e seu comportamento. Geralmente o futuro de alguém, seja ele bom ou ruim, inicia-se primeiro em seu coração/mente, e em seguida manifesta-se em seu comportamento. Aquele que parece amável e sincero e seu comportamento é bom, receberá grande fortuna. Entretanto, aquele que transparece crueldade e comporta-se sem considerarão pelos outros. normalmente propicia o aparecimento de sofrimentos. Desta forma, não há mistério nesses acontecimentos. O coração e a mente do ser humano são conectados com o Céu. Quando se está para ter dificuldades, pode-se ver que isso se deveu a um comportamento perverso. Se desejarmos ter felicidades e harmonia, a primeira atitude que devemos tomar é a de ARREPENDIMENTO, mesmo antes de realizarmos boas obras.

Há três modos de arrependimento. O primeiro modo é ter consciência ou vergonha. Quando lembramos de nossos ancestrais, os sábios de tempos remotos, notamos que eles foram também pessoas comuns e seus ensinamentos permaneceram válidos por centenas de anos. Somos apenas interessados em prazeres sensuais, fama e riqueza, além de não possuirmos disciplina em nosso comportamento. Cometemos ações desonrosas pelas costas dos outros pensando que ninguém mais pode vê-Ias. Gradualmente nos tornamos animais trajados em roupas humanas. Este é o comportamento mais vergonhoso.

Mencius disse que o senso de consciência ou de vergonha é a chave para se tornar um santo. Aquele que nada sabe sobre isto é então como um animal. Assim, o primeiro passo no arrependimento é começar a ter consciência, pois é isso que distingue os humanos dos animais.

O segundo modo é possuir respeito. Isto diz respeito a Seres Celestiais e seres de outros planos também; não devemos enganá-los. Mesmo se cometermos pequenos erros, eles saberão. E se cometermos grandes erros sofreremos as punições proporcionais. Até quando estamos num quarto escuro nossos pensamentos são conhecidos pelo Céu. Podemos tentar nos esconder, mas nossos pensamentos não são ocultos e através deles poderemos ser encontrados. Enquanto ainda nos restar um último suspiro podemos nos arrepender, por mais sérios que tenham sido nossos erros prévios. Há muitas pessoas que tiveram uma vida inteira de pecados, mas no momento de desencarnar, de repente, tornam-se cientes de seus erros, arrependem-se e desencarnam em paz. Há um ditado budista que diz: “Tão logo você abandone o facão de açougueiro, já poderá tornar-se um Buda”, isto é. independentemente dos erros cometidos, grandes ou pequenos, o principal é ser capaz de mudar e se arrepender.

O terceiro modo é possuir coragem e determinação. Normalmente, as pessoas não conseguem modificar seus destinos porque não possuem coragem e determinação para deter o comportamento errôneo ou para transformar algo errado. Devemos considerar um pequeno erro como uma pequena lasca de bambu cravado em nossa pele, assim, devemos removê-la rapidamente. E se for um grande erro, deve ser considerado como uma picada de uma cobra venenosa, devendo ser o dedo amputado sem a menor hesitação. Aquele que conseguir seguir os três modos, alcançará o arrependimento tão facilmente quanto o gelo derrete na primavera.

Há três níveis para se alcançar o arrependimento. O primeiro é a mudança do próprio comportamento; o segundo é a compreensão através de uma mudança mental; e o terceiro é a mudança do coração/espírito. Cada nível é praticado diferentemente, com diferentes graus de sucesso. Um exemplo da realização do primeiro nível: alguém que matou no dia prévio promete não matar no dia atual; ou, ao se tornar muito nervoso num dia, promete ser calmo no dia seguinte. Esses são exemplos de mudança de comportamento. Entretanto, aqueles que se mantêm unicamente neste nível obrigam-se a seguir um método muito opressivo, sendo muito difícil alcançar verdadeiramente um completo grau de arrependimento.

Um outro caminho mais apropriado de se arrepender é através da compreensão no nível mental. Por exemplo: se quisermos modificar o hábito de matar devemos pensar sobre como todos os seres vivos valorizam suas vidas. Devemos nos perguntar: como poderemos estar em paz ao matarmos esses seres para nos alimentar? E, além disso, pensar na dor dos animais ao serem feridos com água ou óleo fervente penetrando em sua carne e ossos. O segredo da saúde é balancear nossa energia vital interior e não ser dependente de alimentos substanciosos das montanhas ou dos oceanos, pois após a refeição não há diferenças entre os seus nutrientes e os de simples vegetais. Por que deixar seu estômago tornar-se um cemitério de animais e anular suas caridades? Ao considerarmos que todos os seres com sangue e carne têm vida e sentimento, então o fato de nós não permitirmos que eles sejam livres como crianças brincando junto a nós é realmente vergonhoso. Como podemos feri-los e fazer com que nos odeiem? Se pensássemos sobre tudo isso seriamos incapazes de matá-los para nos saciar.

Para modificar o mau temperamento, o mesmo é válido. Se pensássemos como as pessoas são diferentes, como todas possuem pontos fortes e fracos, seríamos mais tolerantes com o próximo. E quando as outras não realizarem ações que consideramos corretas ou se elas agirem contra os Princípios Universais, elas é que estarão erradas. E isso não terá porque nos incomodar, pois não nos diz respeito. Então por que se zangar? Além do mais, se as coisas não andarem como gostaríamos que elas andassem, na grande maioria das vezes é porque ainda não acumulamos méritos suficientes para isso. Assim, se tivermos isto em mente, mesmo ao sermos caluniados, isso será como o fogo queimando no espaço vazio: logo se extinguirá sozinho. Se ao escutarmos xingamentos e tentarmos nos defender, isso será tão trabalhoso quanto um bicho-da-seda construindo seu casulo. De qualquer forma, matar e ter raiva são ações que mais nos ferem do que nos dão paz.

Há outros erros que podemos modificar de acordo com as mesmas medidas citadas. Se entendermos as razões por trás da necessidade de mudança nós não cometeríamos os mesmos erros novamente. Geralmente, apesar de realizarmos centenas de erros, quando os analisamos percebemos que todos eles provêm do coração/mente. Se a mente não gerar pensamentos que são enraizados no egoísmo, então não cometeremos erros que surgem da ganância. E se nosso coração tende à bondade, então naturalmente não teremos pensamentos perversos. Este é o caminho de arrependimento mais básico: o que ocorre no coração. Todas as falhas vêm da mente, dos pensamentos, e assim, se quisermos remover radicalmente a causa destas falhas, temos que agir como se cavássemos em direção à raiz para cortar a árvore venenosa. Para mudarmos nossa mente, devemos estar atentos em cada pensamento. Logo que um mau pensamento é gerado devemos capturá-lo e eliminá-lo. Este é o melhor método. Todavia, se ainda não formos capazes de realizar este nível, então devemos fazê-lo no nível anterior: o da compreensão. E se ainda não pudermos agir neste nível (o da compreensão), então devemos fazê-lo no nível do comportamento (da ação). Porém, o caminho mais eficaz consiste em combinar a vigilância dos pensamentos com a compreensão. Para aqueles que estiverem determinados a melhorar podem convidar amigos e parentes a lembrá-los constantemente, ou então, suplicar aos Seres Iluminados ajuda nesta mudança para sinceramente se arrepender dia após dia. Assim, após um certo tempo começaremos a obter resultados, sentiremos paz e a sabedoria surgirá.

Também é possível sentirmos algumas das seguintes mudanças:

· Mesmo se estivermos em um meio conturbado, não nos aborreceremos mais;

· Ao virmos um inimigo, em vez de ficarmos zangados, ficaremos sinceramente felizes;

· Quando sonharmos que estamos deixando para trás coisas hostis, ou que anjos vêm para nos saudar, ou que estamos voando no céu, isto são apenas indicações de que resolvemos alguns dos nossos erros do passado, e que já realizamos algum progresso. Contudo, isso ainda não é o motivo para ficarmos satisfeitos e complacentes com nós mesmos.

Pessoas comuns como nós cometem tantos erros quanto os espinhos existentes em um porco-espinho. Quando a nossa mente ainda é muito rude, então mesmo falhando, não enxergamos claramente essas falhas e ainda permanecemos tranqüilos. As pessoas que acumularam muitos deméritos normalmente apresentam certos sintomas:

· suas mentes são obscurecidas e negligentes;

· preocupam-se quando não há razão alguma para se preocupar;

· se sentem incomodadas quando encontram pessoas sábias e santas;

· ficam infelizes quando escutam a verdade;

· algumas vezes quando recebem algo, ao invés de se sentirem gratas, elas ficam insatisfeitas e nervosas;

· em seus sonhos elas sempre têm muitos pesadelos e reclamam o tempo todo.

Essas são as características das pessoas que acumularam deméritos e quando elas se manifestam, deveremos pensar com urgência em percorrer os caminhos do arrependimento.

terça-feira, 1 de junho de 2010

O MAL!


Às vezes o mal persegue o guerreiro da luz; então, com tranquilidade, ele o convida para sua tenda.
Ele pergunta ao mal:
"Você quer me ferir, ou me usar para ferir os outros?".
O mal finge não ouvir. Diz que conhece as trevas da alma do guerreiro. Toca em feridas não cicatrizadas, e clama vingança.
Lembra que conhece algumas armadilhas e venenos sutis, que o ajudarão a destruir seus inimigos.
O guerreiro da luz escuta. Se o mal se distrai, ele faz com que retorne a conversa, e pede detalhes de todos seus projetos.
Depois de ouvir tudo, levanta-se e vai embora. O mal falou tanto, está tão cansado e tão vazio, que não conseguirá acompanhá-lo.

(Manual do Guerreiro da Luz - Paulo Coelho)

domingo, 30 de maio de 2010

LIBERDADE!


Sim, o Guerreiro escuta alguém dizer:
"Eu preciso entender tudo, antes de tomar uma decisão. Quero ter a liberdade de mudar de ideia."
O guerreiro olha com desconfiança esta frase. Também ele pode ter a mesma liberdade, mas isto não impede de assumir um compromisso, mesmo que não compreenda exatamente por que fez isto.
Um guerreiro da luz toma decisões. Sua alma é livre como as nuvens no céu, mas ele está comprometido com seu sonho. Em seu caminho livremente escolhido, tem que acordar em horas que não gosta, falar com gente que não lhe acrescenta nada, fazer alguns sacrifícios.
Os amigos comentam: "Você não é livre".
O guerreiro é livre. Mas sabe que o forno aberto não cozinha o pão.

(Manual do Guerreiro da Luz - Paulo Coelho)

UM DIA, QUEM SABE....


Um dia, quem sabe eu encontre a paz , quem sabe também, depare com aquele amor que tanto busco. Talvez ele seja o sol iluminando as minhas manhãs, o vento, soprando de leve, embaraçando meus cabelos. Pode ser a água fresca da chuva, molhando meu rosto suado, o alimento, fortalecendo a minha alma. Pode ser ele, o passarinho, cantando em minha janela, Devolvendo-me a tão sonhada calma. Ou a pintura de uma linda aquarela com árvores verdes e flores coloridas. Um dia, abrirei os meus olhos e deles surgirão, duas pequenas lágrimas comovidas. Poderei respirar o ar puro que jamais havia respirado. Um dia, quem sabe eu encontre o caminho, que me faça chegar à luz que iluminará todo o meu ser. Quem sabe....talvez...

by Mara Tozatto


Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe porque ama, nem o que é amar
Amar é a eterna inocência,
E a única inocência, não pensar...

Fernando Pessoa

sábado, 29 de maio de 2010

Oxum, minha Mãe!


"Oxum lava meus olhos
Oxum minha emoção
Oxum flor das águas
lava o meu coraçao ..."

(Linda música de Keilah-Diniz)

Que Oxum me dê a serenidade para agir de forma consciente e equilibrada. Tal como suas águas doces – que seguem desbravadoras no curso de um rio, entrecortando pedras e se precipitando numa cachoeira, sem parar nem ter como voltar atrás, apenas seguindo para encontrar o mar – assim seja que eu possa lutar por um objetivo sem arrependimentos.
Oxum lava meus olhos
Oxum minha emoção ...

by: Mara Tozatto